Muito mais do mesmo.

 

A história de Davi é intrigante desde sua origem. Lutar com um gigante? Apenas com uma funda? Diz a lenda que este não deve ter matado Golias instantaneamente. No livro, a Bíblia, diz-se que quando Golias caiu com a face por terra, Davi apressou-se, pegou sua espada e entregou-lhe a morte ‘definitivamente’ cortando sua cabeça. Ufa!

Mas a história de sua representação artística também é conturbada. Ouvi que, para conseguir a peça de mármore que originaria sua obra prima, Michelangelo atritou-se com um dos responsáveis pela construção do Duomo di Firenze, o então Bispo Giuseppe Betori.

Enfim, por essas e outras, a estátua de Davi encontra-se magnificamente exposta na Galleria dell’Accademia. Pode-se observá-la por todos os ângulos. Alguns permanecem até perceberem seus movimentos. Dizem! Porém, antes de acessá-la, deve-se percorrer um pequeno corredor onde se vê “obras inacabadas” deste sobrenatural artista. Atribui-se a ele a afirmação de que, dentro dos blocos de mármore já existiam as esculturas, bastava apenas retirar o excesso de material. Sim, isso sim é algo de sobrenatural…

Nesta época do ano, fim do inverno e início da primavera, começa e florada da laranja. Esta cultura predominou na região noroeste paulista por muitos anos, substituindo o café que entrou em declínio após os acontecimentos de 30. Hoje, o que se vê predominantemente são extensões intermináveis de canaviais. Mas, a flor da laranjeira exala um perfume tão sutil e prazeroso que, quem a reconhece percebe imediatamente. Então, não é que certa vez tomei um sorvete de flor de laranjeira! Não sei como, mas o perfume se transformou em sabor e fui transferido às passagens de minha infância, lá no sítio de meu avô.

A capacidade de nós humanos transformarmos pedras, flores, cheiros e sabores em prazeres intensos e imagens sobrenaturais não se explica facilmente. É algo que, mesmo dedicando muito estudo fica qualquer coisa no ar.

Em Firenze também pedalei, como nos laranjais entorno de minha cidade. Em ambos os casos tive uma sensação de liberdade, de entrega, de domínio que somente aqueles ambientes me proporcionaram. Seja pela história vinda até mim (no sítio de meu avô, a infância, ascendência, a familiaridade), seja pelo respeito que recebi (em Florença a bicicleta está no dia-a-dia de todos), digo que foram experiências em que pude verificar, mesmo que infinitamente menor do que descrevi acima, que o ser humano tende a fazer o melhor. Tende a extrair de tudo o que é mais belo e intenso. De mostrar sua capacidade de fazer de pedras corpos perfeitos, de flores sabores inesquecíveis.

De tudo que tem por aí, acho que basta tirarmos o excesso!

Giuseppe Ricardo Passarini.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s